Dropback – dicas de Mark Robberds

A video posted by @markrobberds on

O texto e o vídeo foram gentilmente cedidos por Mark Robberds para tradução e publicação no Movimento Ashtanga.

Aviso: O que você está assistindo pode salvar a sua coluna de dores desnecessárias e ensiná-lo a fazer o dropback, mantendo os pés paralelos e calcanhares baixos, mas o seu professor pode desaprovar a técnica, e assim você talvez nunca irar experimentá-la . Tenho estudando dropback há quase 20 anos em diferentes tipos de corpos, diferentes idades e em pessoas do mundo inteiro, e o movimento diferencial, além obviamente da flexibilidade da espinha e da mobilidade do ombro, é a mobilidade do tornozelo – especificamente a dorsiflexão. Mesmo as pessoas com flexibilidade moderada em outras áreas podem fazer o dropback se tiverem boa flexibilidade no tornozelo. Para todos os outros o que acontece é que os pés viram pra fora ou os calcanhares se elevam. No entanto, parece que todos querem que os calcanhares fiquem abaixados e os pés paralelos, sem exceções para a flexibilidade do tornozelo. Isto pode ser conseguido dobrando o seu tapete e colocando-o sob seus calcanhares. Não sei porque em tantas outras posturas os adereços, tais como paredes, blocos, cintas ou os pés e mãos dos professores são utilizados para permitir que os estudantes evoluam, mas no dropback isso não acontece – o que faz com que as pessoas comecem a evitá-lo ou se lesionem. A sequência que estou usando aqui é a seguinte: inale, levante as mãos e as costelas para longe da pelve. Ainda na inalação olhe para cima, comece a mover os braços para trás e curve a parte superior das costas. Em seguida, exalando, empurre os quadris para a frente, até o máximo que conseguir, e só então dobre os joelhos – essa é a chave – com isso o centro de gravidade é direcionado para a frente permitindo que as mãos cheguem mais próximas ao chão. Faça o dropback até o chão, voltando com o quadril e os joelhos ao estado inicial. Em seguida, fique nas pontas dos dedos das mãos e pressione os joelhos e quadril para a frente novamente – para mover o centro de gravidade para a frente. Aqui eu usei um pouco do movimento do balanço para subir, mas o ideal é que você consiga apenas empurrar e subir imediatamente. A subida é feita na inspiração. Mas lembre-se – somente tente isso em casa, caso contrário podem gritar com você.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *